A gente tem maior cuidado pra falar com os outros, pra não parecer grosseiro, indelicado. A contradição é quando a gente faz isso com a gente tantas vezes e deixa pra lá.


 Eu passei grande parte dos meus 25 me machucando por não ser magra feito fulana, ter o cabelo de tal jeito ou algo do tipo.


Capricho, Toda teen e outras revistas não tinham uma gordinha. Ou seja, eu estava errada, né? Minha vida sempre foi do efeito sanfona, momentos magra, momentos beirando a obesidade. O problema é o tal do efeito sanfona, aff.

O exercício é diário: as pessoas dizem "Você tem que se amar", MAS O QUE É SE AMAR? Eu sempre me perguntei. Até hoje não tenho uma boa resposta, desculpe.

Muitas vezes a cobrança do corpinho bonitinho vem de quem te ama. Já escutei coisas absurdas sobre meu corpo e previsões horríveis de futuro por conta do meu corpo. "Tudo fica bonito em fulana porque ela é magrinha"; "sempre tem uma solteirona na família, né?..." Eu poderia fazer um post contanto das noites que chorei e sonhei em ser magra magra magra. Olha só: a grande dor da menina que queria ser aceita ou pelo menos que me deixassem em paz.

É altamente desafiador uma gorda se amar, para algumas pessoas, é desleixo, falta de higiene (haha), falta de espelho. Gordo é f$@#. Eu não acho que devo aceitar as doenças que a gordura traz. Quero ter um peso saudável, já não tenho o desejo de aparecer e dar satisfação sobre meu corpo a seu ninguém. 



Eu quero ser feliz, agora eu não peço, é meu direito. Quero ter mais força pra fazer um exercício físico, quero poder comer frutas, verduras e etc. Quero poder comer brigadeiro com meu namorado sem ficar pensando nas calorias.



Eu quero viver bem e viver em paz.

Thay Batista

Comente com o Facebook:

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para nós!
Deixe o link do seu blog para que possamos retribuir a visita.
Volte todos os dias! ^.~
Comenta aê: